18
Fev
MWC: Microsoft apresenta Windows Mobile 6.5
por Pedro Ivo Faria
À segunda foi de vez! Depois de ter gorado todas as expectativas de quem se deslocou a Barcelona no ano passado, a Microsoft apresentou oficialmente a nova versão intermédia do Windows Mobile.
A meio caminho da versão 7, que promete uma renovação de alto a baixo, o Windows Mobile 6.5 avança já com alguns elementos gráficos da futura geração na tentativa de reduzir a distância que o separa das restantes plataformas em termos de usabilidade e facilidade de utilização.

Há um ecrã Hoje totalmente novo, um menu iniciar ‘fresquinho’ e um sem número de pequenas melhorias gráficas que tornam esta versão mais finger friendly, apesar de não chegar tão longe como certas interface criadas por fabricantes e operadoras móveis.
Um das mudanças mais radicais foi … no nome. Tal como aconteceu com a plataforma PocketPC, o Windows Mobile retira-se para dar espaço para o aparecimento do Windows Phone que continua a dividir-se entre a categoria Professional (para equipamentos com ecrã táctil) e Standard. O sistema operativo mantém o nome – Windows Mobile – mas os terminais passam a adoptar a nova designação.


Ecrã de bloqueio


Até esta versão, e desde que foi introduzido, o ecrã de bloqueio não passava de um ecrã Hoje que não respondia aos toques. O argumento para esta opção era (e continua a ser) válido: não é necessário desbloquear o terminal para saber se recebeu mensagens, o que vai fazer a seguir ou se há chamadas perdidas.
Horas, potência de sinal e carga de bateria complementam a informação disponível, que agora é apresentada de uma forma totalmente diferente mas igualmente eficaz.



Pequenos ícones substituíram os longos textos e encontram-se acompanhados de um contador nos casos em isso for relevante. Este contador indica o número de chamadas perdidas, mensagens recebidas ou compromissos para as próximas horas.
O fazer deslizar o dedo sobre um destes ícones não só irá desbloquear o terminal mas também lançar a aplicação que está a ele associada. Num só gesto condensam-se três ou quatro cliques. ...

ver o resto da noticia >>
Esta notícia já foi consultada 40732 vezes
 
 
Publicidade